Indicadores de Risco para a Peri-implantite: Estudo Retrospectivo com 916 implantes

Por Marco A. Bianchini | 11 de setembro de 2017

Objetivos: O objetivo do estudo foi identifi car indicadores de risco locais e sistêmicos associados com a peri-implantite.
Materiais e métodos: 183 pacientes tratados com 916 implantes osseointegrados, em função por no mínimo 1 ano, foram incluídos no presente estudo. Os implantes foram instalados na FUNDECTO – Universidade de São Paulo (USP) – durante o período de 1998 a 2012. Fatores relacionados às condições sistêmicas do paciente (problemas cardíacos, hipertensão, tabagismo, alcoolismo, problemas renais, hepatite, doença gastrointestinal, diabetes tipo I e II, hipertireoidismo ou hipotireoidismo, radioterapia, quimioterapia, menopausa, osteoporose, doença periodontal ativa, histórico de doença periodontal e bruxismo), características dos implantes (localização, diâmetro, comprimento, conexão, formato e antagonista) e parâmetros clínicos (facetas de desgaste, condição periodontal do dente adjacente, acúmulo de placa no dente adjacente, índice de placa modifi cado, índice de sangramento do sulco, profundidade à sondagem, sangramento à sondagem, faixa de mucosa ceratinizada e recessão marginal) foram avaliados.
Resultados: Para pacientes com histórico de doença periodontal, houve um risco aumentado em 2.2 vezes, para próteses cimentadas o risco aumentou para 3.6 vezes quando comparado às prótese parafusadas, 2.4 vezes quando facetas de desgaste estavam presentes na coroa unitária e 16.1 vezes para as reabilitações totais quando em comparação com as reabilitações unitárias. A regressão logística não apresentou qualquer associação entre peri-implantite e as características dos implantes avaliados.
Conclusões: Histórico de doença periodontal, próteses cimentadas, presença de facetas de desgaste na coroa protética e reabilitações totais sobre implantes foram identifi cados como indicadores de risco para o surgimento da peri-implantite. As características dos implantes avaliados não estiveram relacionadas com a presença de peri-implantite.
Palavras-chave: exame clínico, pesquisa clínica, ensaios clínicos, diagnóstico, epidemiologia.
Para obter o artigo integral favor solicitar para contato@implacil.com.br.

Marco A. Bianchini

Professor adjunto do Departamento de Odontologia – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Coordenador do Curso de Especialização em Implantodontia – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Autor do livro – O passo a passo cirúrgico na Implantodontia.

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Marco A. Bianchini