Reabilitação Multidisciplinar em Agenesia de Incisivos Laterais Superiores: Relato de caso

Por Washington Santana | 07 de dezembro de 2018

Autores:

– Washington Santana (Perioimplantodontia)

– Álvaro Martins (Reabilitação Protética)

A paciente S.A.E, sexo feminino, 20 anos, portadora de agenesia dos dentes 12 e 22, com condição de sorriso apresentando exposição das margens gengivais. Foi manifestado interesse na reabilitação dos dentes ausentes, devido insatisfação estética com a prótese removível que fazia uso desde os 13 anos (SIC). Durante o exame clínico, foi observado a presença de diastema entre os incisivos centrais e desordem entre a proporção dos espaços edentulos e a posição das coroas dos incisivos.

Além disso, a presença do freio labial superior entre os incisivos com inserção papilar, foi identificada como fator predisponente para o diastema, associado a ausência das coroas dos Incisivos laterais superiores. Dessa forma, inicialmente foi realizado a frenectomia labial superior.

Em seguida, a paciente passou por terapia ortodôntica durante 19 meses, com objetivo de alinhar e organizar espaços, fechamento do diastema e ajustar a oclusão com o arco antagonista. Com o fechamento do diastema e o espaço protético dos incisivos laterais recuperados,

iniciou-se a avaliação do leito cirúrgico a ser implantado. As imagens da Tomografia evidenciaram uma atrofia importante da espessura,

comum aos pacientes de agenesia, que não possuem o desenvolvimento natural do rebordo alveolar pela ausência do dente permanente. Um procedimento cirúrgico foi realizado para regenerar o rebordo alveolar por vestibular e por palatino, com técnica de regeneração óssea guiada ,utilizando-se osso autógeno coletado do mento, associado a matriz inorgânica de osso bovino, e recoberto com membrana colágena fixada com micro parafusos.

Após 9 meses, imagens tomográficas evidenciam o volume alcançado com o procedimento reconstrutivo,

foi realizado a exposição do leito regenerado,

 

instalação de implantes Implacil Slim 2.5 x 13mm, associado a enxerto de tecido conjuntivo para aumento dos tecidos moles na zona de transição no sulco perimplantar.

Após temporização por 3 meses, foram restauradas as incisais dos caninos bilateralmente, para devolver as guias de lateralidade , e finalização protética das coroas sobre os implantes.

     

 

   

Washington Santana

Clínica privada em implantodontia, periodontia, cirurgias maxilofacial e ortognática, doutor pela Universidade de Brasília/UnB e mestre em Odontologia pela Universidade Federal Goiás/UFG, coordenador de especialização em implantodontia IKO/Goiânia-GO.

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Washington Santana