Avaliação da estabilidade do implante

Por Sérgio Jorge Jayme | 11 de setembro de 2017

Avaliação da estabilidade do implante pela análise da frequência de ressonância: estudo in vivo com carregamento imediato e precoce em um modelo em cães

Evaluation of implant stability by means of resonance frequency analysis: an in vivo study with immediate and early loading in the dog model

Sérgio Jorge Jayme*, Adriana Cláudia Lapria Faria**, Valdir Antonio Muglia***, Luiz Antonio Salata****,Arthur Belém Novaes Júnior***** ,Ricardo Faria Ribeiro******

*Mestre, doutor e ex-aluno de pós-graduação – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Materiais Dentários e Prótese; **Mestra, doutora e especialista de Laboratório – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Materiais Dentários e Prótese; ***Mestre, doutor e professor doutor – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Materiais Dentários e Prótese;.****Mestre, doutor e professor associado – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial e Periodontia; *****Mestre, doutor e professor titular – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial e Periodontia; ******Mestre, doutor e professor titular – Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Departamento de Materiais Dentários e Prótese.

Resumo

Objetivo:

Este estudo teve por objetivo avaliar a estabilidade de implantes de carga imediata ou precoce, em diferentes intervalos de tempo.

Material e Métodos:

Foram extraídos os pré-molares mandibulares, bilateralmente, de oito cães. Após 12 semanas, cada cão recebeu seis implantes (três em cada lado da mandíbula). A carga foi aplicada em pares, em um implante de cada lado, sendo que o primeiro par recebeu carga imediata, o segundo par após sete dias, e o terceiro par após 14 dias. Em cada período, as medidas de estabilidade dos implantes foram realizadas por frequência de ressonância (ISQ). Após 12 semanas, uma nova leitura da estabilidade dos implantes foi realizada. A análise estatística foi feita usando modelo linear de efeitos mistos, que é uma generalização do modelo linear padrão (Anova). Diferenças foram consideradas significantes quando p < 0,05.

Resultados:

A estabilidade do implante mudou no decorrer do tempo para todos os protocolos de carga, apresentando aumento significativo na estabilidade final, mas as variações foram semelhantes para os três grupos estudados. Nos períodos de sete dias e 14 semanas, o protocolo de carga imediata apresentou menor estabilidade de implante do que os protocolos de sete e 14 dias.

Conclusão:

A estabilidade do implante diminui nos períodos iniciais após a cirurgia e aumenta no período de 14 semanas. A estabilidade dos implantes do protocolo de carga imediata é menor do que a dos protocolos de sete e 14 dias, sugerindo cautela para seu uso.

Unitermos – Implante dentário; Índice de estabilidade; Prótese parcial imediata.

ImplantNews 2013;10(6a-PBA):92-7

Sérgio Jorge Jayme

Doutorado em reabilitação oral pela Universidade de São Paulo; é mestre em Implantodontia; especialista em Prótese Dentária; pós-graduado em Periodontia e presidente da Academia Brasileira de Osseointegração.

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Sérgio Jorge Jayme