Aproveite esta oportunidade e assista às aulas do 3º Dia, ministradas pelos renomados professores Alber Barbara e Sérgio Jayme. Dois grandes mestres reunidos, transmitindo o melhor do conhecimento de uma maneira objetiva e exclusiva, para você.


Nesta aula, o Prof. Dr. Sérgio Jayme apresentou todo o passo a passo de um caso de reabilitação muito bem sucedido.

É um conceito cirúrgico e protético, garantindo a instalação de implantes sem recorrer a enxertos ósseos. A técnica All on 4 já é consagrada, embasada em literatura mundial e muito usada em todo mundo. Um dos diferenciais é a inclinação dos implantes distais, tangenciando e respeitando acidentes anatômicos, como por exemplo, os seios maxilares e nervo alveolar inferior evitando reconstruções ósseas, simplificando as reabilitações bucais com implantes.

[huge_it_portfolio id="67"]

Graduação em Odontologia pela Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI/SC, em 1997. Pós graduação em Implantodontia pela ABO seção Itajaí em 2000. Pós graduação em Cirurgia Avançada para Implantodontia pela Clinimplante em 2003. Especialista em Periodontia pela Profis/USP-Bauru desde 2003. Especialista em Implantodontia pela ABCD seção Florianópolis desde 2016. Mestre em Prótese Dentária pela São Leopoldo Mandic/Campinas desde 2012. Doutorando em Periodontia pela Universidade de Guarulhos- UnG/SP. Participou do Externship Program in Periodontology pela Univesridade de Michigan em maio de 2005. Participou do Advanced Implant Dentistry pela Universidade da Flórida em abril de 2015. Professor Coordenador do curso de Especialização em Implantodontia e Periodontia da Unisociesc- Florianópolis/SC. Professor da Graduação em Odontologia da Universidade do Sul Catarinense-Unisul/Pedra Branca desde 2016. Consultório privado em Florianópolis, onde atua nas áreas de Periodontia, Reabilitação Oral e Implantodontia, realizando cirurgias de reconstruções ósseas , manutenção de alvéolos, instalação de implantes e manipulação tecidual.

Abstract

OBJECTIVE:

Human retrieved implants with an intact bone-implant interface play a pivotal role in validating data obtained from in vitro studies and animal experiments. This study presents a histologic and histomorphometric analysis of peri-implant tissue reactions and of the bone-titanium interface in three machined and sandblasted dental implants retrieved after a 5-year loading period.

METHOD AND MATERIALS:

Three implants, with an intact bone-implant interface, were found in the Archives of the Implant Retrieval Center of the Dental School of the University of Chieti-Pescara, Chieti, Italy. The three implants had been used in a two-stage submerged procedure and loaded as part of a small prosthetic restoration. One implant had been retrieved because of an abutment fracture, while there was a fracture of the connecting screw in the other two. One implant was in the maxilla (sandblasted surface), and two were in the mandible (one with a machined surface and the other with a sandblasted surface). All implants had been processed for histology.

RESULTS:

All three implants presented mature, compact, lamellar bone at the interface. Many remodeling areas were present in the peri-implant bone, especially inside the implant threads. The bone was always in close contact with the implant surface. The bone-implant contact percentage of the machined implant was 92.7%, while the two sandblasted implants showed bone-implant contact percentages of 85.9% and 76.6%.

CONCLUSION:

The present histologic results confirmed that these implants with different surfaces maintained a good level of osseointegration over a 5-year loading period, with continuous remodeling at the interface, and showed high bone-implant contact percentages.
Fonte: NCBI

Matéria por: Antonio Illanes e Paulo Cruz Uma das principais objeções dos pacientes à cirurgia para instalação de implantes reside na necessidade de incisão e levantamento de retalho para a visualização do leito ósseo e a consequente necessidade do fechamento com suturas, manobras que exigem uma quantidade maior de administração de anestésico e acarretam um pós operatório mais ou menos incômodo, dependendo da extensão da cirurgia, além de limitações físicas, sociais e profissionais, com a necessidade de dietas específicas e afastamento das atividades físicas e profissionais, quer pela exigência para a recuperação pós procedimento, quer pela impossibilidade da utilização de próteses na região, normalmente até a remoção da sutura, e em alguns casos por períodos maiores. A possibilidade de executar um planejamento preciso, simples, rápido e econômico, que nos ofereça a segurança necessária para a execução da cirurgia, permite que a grande maioria dos procedimentos seja feita sem essas 2 etapas, incisão-levantamento de retalho e sutura, que geralmente constituem as 2 fases mais difíceis e demoradas da cirurgia, já que nas situações em que o paciente não necessita de cirurgias de enxertos pré-implantes, o planejamento virtual e a guia cirúrgica gerada permitem a eliminação desses procedimentos invasivos. As vantagens dessa técnica são uma cirurgia atraumática, segura e rápida, com excelente pós operatório, sem edema, sem dor, sem limitações e restrições pós operatórias alimentares, sociais e profissionais, segurança trans operatória para pacientes com doenças sistêmicas, como diabetes, hipertensão e outras que poderiam acarretar maior risco à manipulação cirúrgica, e principalmente a instalação dos implantes na posição tridimensional ideal, fiel ao planejamento inicial, fator fundamental para uma boa reabilitação protética, e nem sempre obtido em cirurgias executadas pela técnica convencional. O sistema de cirurgia guiada desenvolvido pela Implacil em parceria com a Bioparts, empresa líder no mercado nacional de confecção de protótipos e guia estereolitográficos, tem como principais diferenciais dos sistemas até aqui disponíveis a preparação extremamente simples, rápida e econômica do paciente, um kit cirúrgico compacto, intuitivo e acessível, e, a principal evolução, a possibilidade da utilização de implantes totalmente cônicos cone morse indexados, com geometria e superfície que alcançam índices de 92,7% de contato osso-implante, garantindo índices de sucesso acima de 98%.     O planejamento pré operatória consiste em 2 técnicas diferentes: o protocolo da moldagem, para os pacientes parcialmente edêntulos, em que se faz uma moldagem com silicona pesada de condensação, com moldeira de plástico com a prótese do paciente em posição na área edêntula, preenchimento do espaço dos implantes com silicona radiopaca ao tomógrafo, Silix fornecido pela Bioparts, e reembasamento, sem a prótese, com a silicone fluida. O paciente leva essa moldeira ao serviço de radiologia onde será realizada a tomografia convencional do paciente e a tomografia da moldeira, e o cruzamento dessas 2 imagens oferece um modelo 3D a ser utilizado no software DentalSlice para o posicionamento dos implantes em relação à reabilitação protética.     Para os pacientes totalmente edêntulos, portadores de prótese totais, o planejamento é feito com a utilização das próteses dos pacientes, com marcações de guta percha que possibilitem a visualização do contorno dos dentes da prótese pelo tomógrafo para a obtenção do modelo 3D no DentalSlice.   Essas imagens serão utilizadas pelo cirurgião para o planejamento completo da instalação do implante, desde o seu posicionamento 3D, diâmetro, comprimento, posição, angulação, profundidade, altura do componente protético, bem como a escolha entre prótese cimentada ou aparafusada.     O software DentalSlice é um programa bastante simples e intuitivo, que não requer grandes conhecimentos de informática, em que o cirurgião rapidamente se familiariza com as ferramentas disponíveis, e assim o profissional dispõe de todas as informações e condições necessárias para um perfeito planejamento e a confecção de uma guia para uma cirurgia em que serão obtidas as condições desejadas e desenhadas no planejamento pré cirúrgico, e em que serão instalados implantes total e verdadeiramente cônicos, com conexão morse indexada, garantindo altas taxas de ósseointegração e confiabilidade biomecânica.     O vídeo abaixo mostra uma cirurgia de um protocolo duplo, superior e inferior, com carga imediata e instalação das próteses no mesmo dia da cirurgia, em que é possível notar que a preservação da condição tecidual possibilita a escolha e a instalação de componentes protéticos e execução da prótese como se fosse uma reabilitação tardia, com os implantes previamente instalados. No Sistema de Cirurgia Guiada Implacil Raptor Bioparts toda a comunicação entre as partes envolvidas no projeto é digital, ou seja, o serviço de Radiologia envia as imagens do paciente e das referencias 3D ao profissional no software DentalSlice via e-mail, e o cirurgião envia seu planejamento à Bioparts, quando o planejamento é checado e, se necessário, discutido com o profissional, também de maneira digital, via e-mail, recebendo posteriormente à aprovação do planejamento discutido, a guia cirúrgica confeccionada.   Ref. Bibliográficas Accuracy of computer-guided implant surgery by a CAD/CAM and laser scanning technique. Zhao XZ et al. Chin J Dent Res. 2014;17(1):31-6 Accuracy of computer-aided template-guided oral implant placement: a prospective clinical study. Beretta M; Poli PP; Mayorana C. J Periodontal Implant Sci. 2014 Aug;44(4):184-93 Evaluation of the accuracy of conventional and digital impresión techniques for implant restorations. Journal of Prosthodontics (2018) 1-6 Machined and sandblasted human dental implants retrieved after 5 years: a histological and histomorphometric analysis of three cases. Quintessence Int’l 2012 Cortical and trabecular bone healing patterns and quantification for three diferente dental implant system. Quintessence Int’l 2017 A comparative evaluation between aluminium and titanium dioxide microparticles for blasting the surface titanium dental implants: an experimental study in rabbits. Sergio A. Gehrke Marıa P. Ramırez-Fernandez Jose Manuel Granero Marın Marcos Barbosa Salles Massimo Del Fabbro Jose Luis Calvo Guirado. Clin Oral Imp Res.; 0,2016

O objetivo deste estudo foi comparar, por meio de análise biomecânica e histológica, as micropartículas de alumínio (AlO2) e de dióxido de titânio (TiO2) para jateamento durante o tratamento de superfície em implantes dentários de titânio usando...

Nos planejamentos para colocação de implantes, focamos inicialmente na presença de acidentes anatômicos importantes e também na quantidade e qualidade do osso remanescente tanto em altura como em espessura. O split crest é uma técnica para aumento da espessura óssea da mandíbula e maxila, é previsivel e muito relatada na literatura com muitos artigos publicados no mundo inteiro. Essa técnica é muito utilizada para aumento da espessura óssea. Antes/Depois   É uma alternativa interessante aos enxertos autógenos e ROG. Consiste em dividir as corticais (Simion et al. 1992; Scipioni et al. 1994) e abrir os espaços com osteótomos (Summers 1994). Isto criará espaço para os implantes com quantidade ideal de osso em sua volta. Podem ser usados brocas, cinzéis, martelos, serras e o mais indicado é a cirurgia com o uso de aparelhos ultra sonicos (Piezo surgery) conseguindo assim cortes precisos e um bom pós operatório. Cirurgia com Ultrassom representa uma nova alternativa, técnica que vem sido introduzida para realizar uma cirurgia com muita precisão (Torella et al. 1998; Vercellotti 2000; Vercellotti et al. 2001; Blus & Szmukler-Moncler 2004). O princípio da cirurgia com ultrassom consiste em indução de micro-vibrações energéticas para uma ponta com frequência de vibração acima do espectro sonoro. As vibrações são produzidas por um transdutor que é movido eletricamente, piezo- eléctrica ou magneticamente. Maxilar Superior Fig 1- Corte preciso com o Piezo Fig 2- Fratura com cinzel   Fig 3 e 4- Fratura em galho verde   Fig 5 e 6- Preenchimento com biomaterial e sutura   Fig 7- Implantes instalados   Mandíbula Fig 8- Osteotomia até o osso medular na crista óssea e relaxantes, na vestibular inferior a osteotomia é somente em osso cortical para fragilizar e facilitar a fratura em galho verde   Fig 9- O uso dos escariadores é indicado para promover um espaço e facilitar a fratura.   Fig 10- Instalação dos implantes   Fig 11 e 12- Colocação de biomaterial, LPRF e sutura

Objetivo: O presente estudo levantou a hipótese de que diferentes padrões de cicatrização óssea através dos estágios iniciais da osseointegração seriam observadas quando usados três sistemas distintos de implantes comercialmente disponíveis (Nobel TSV Groovy, Implacil e Zimmer), levando à significativas variações nos níveis histométricos de osso e da formação de osso durante...

Comparison of clinical and radiographic peri-implant parameters among obese and non-obese patients: A 5-year study. Alkhudhairy F, Vohra F, Al-Kheraif AA, Akram Z. Clin Implant Dent Relat Res. 2018 Jul 20. doi: 10.1111/cid.12633. OBJETIVO: O objetivo do presente estudo longitudinal de 5 anos foi analisar e comparar as mudanças nos parâmetros clínicos e radiográficos peri-implantares entre pacientes obesos e não obesos. MATERIAIS E MÉTODOS: Vinte pacientes com índice de massa corporal ≥ 27,5 kg / m2 e 18 controles não obesos foram incluídos. Todos os pacientes foram indicados para substituição de dente molar maxilar ou mandibular unitário com os dentes adjacentes intactos. Os parâmetros clínicos peri-implantares (índice de placa, sangramento à sondagem, profundidade de sondagem) e radiográfico (perda óssea marginal) foram medidos aos 12, 24 e 60 meses de acompanhamento. RESULTADOS: Todos os parâmetros peri-implantares mostraram diferença estatisticamente significante entre indivíduos obesos e não obesos. O grupo obeso registrou sangramento a sondagem, profundidade de sondagem e perda óssea marginal significativamente maiores nos diferentes momentos de observação. Profundidade de sondagem e perda óssea marginal aumentaram significativamente com o avanço do tempo em ambos os grupos. Após 60 meses de seguimento, maior índice de placa e sangramento a sondagem foi observado em pacientes obesos (P <0,01). Aos 60 meses de seguimento, os pacientes obesos apresentaram aumento significativo da profundidade de sondagem (3,69 mm) quando comparados aos indivíduos não obesos (2,46 mm). A perda óssea marginal em indivíduos não obesos variou de 0,30 mm após 12 meses a 0,55 mm após 60 meses de seguimento, enquanto em pacientes obesos, a perda óssea marginal passou de 0,36 mm após 12 meses para 0,91 mm aos 60 meses de acompanhamento (P <0,01). CONCLUSÕES: Pacientes com obesidade apresentam maior risco de inflamação peri-implantar. Recomenda-se que os pacientes obesos sejam orientados sobre o risco de inflamação tecidual peri-implantar e a suscetibilidade à perda óssea. Além disso, deve receber orientações e cuidados rigorosos de higiene bucal visando a manutenção da saúde peri-implantar.

Nesse vídeo mostraremos a utilização da membrana TXT 200 em regeneração óssea guiada. Iniciaremos apresentando a diferença entre barreira e membrana e como utilizar a membrana TXT 200.

A Implacil De Bortoli completa 36 anos em 2018 com um aporte de R$ 20 milhões e projeções ambiciosas. Pioneira no setor de implantes dentários e com material reconhecido cientificamente como o de maior osseointegração do mundo, a empresa destinará esse investimento para ampliar a unidade fabril no bairro paulistano do Cambuci e horizontalizar a rede de distribuição. A meta é fazer a capacidade produtiva dobrar em um ano e assumir, já em 2019, a vice-liderança de mercado. “Nosso plano é chegar a R$ 45 milhões de faturamento ainda este ano, 35% a mais do que em 2017, e aumentar de 15 para 20 o número de estados atendidos”, almeja o CEO Aluizio Canto. A perspectiva do empresário vai ao encontro do expressivo crescimento da demanda por implantes dentários no país, onde são realizadas 800 mil cirurgias por ano, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria Médica, Odontológica e Hospitalar (Abimo). O Brasil já é o segundo mercado global, atrás apenas dos Estados Unidos. O setor movimenta R$ 800 milhões e deve manter esse ritmo impulsionado pela elevação do número de pessoas desdentadas. O Ministério da Saúde aponta que os brasileiros já perderam cinco dos 32 dentes aos 28 anos, enquanto aos 50 esse número triplica. De 2011 até hoje, o faturamento cresceu 3,5 vezes, resultado de uma profunda mudança no modelo de gestão que teve início no ano seguinte. Até então sob administração familiar, a Implacil instituiu a figura do CEO para profissionalizar as operações e disseminar os atributos de seus implantes em escala mundial. Ainda em 2012, uma pesquisa da revista europeia Quintessence International atribuiu aos implantes da empresa um nível de eficácia superior ao de marcas líderes globais, com o índice de osseointegração de 92,7%. Posteriormente, surgiram também os reconhecimentos da Clinical Oral Implants Research e The International Journal of Maxilofacial Implants, que contribuíram para respaldar a incursão no mercado externo. As exportações para países como Itália, Espanha, Colômbia, Uruguai, Chile e Peru totalizam 5% do volume de negócios. “A projeção internacional serviu de estímulo para injetar recursos em pesquisa e parcerias com universidades dos Estados Unidos e da Europa. O resultado foi a criação do implante due-cone, mundialmente patenteado”, acrescenta Aluizio Canto. Trajetória empreendedora Nos últimos quatro anos, fundos de investimento estrangeiros cobiçaram a Implacil, mas a empresa decidiu manter sua essência nacional, calcada nos estudos de especialistas em implantologia. Apesar da fundação em 1982, sua trajetória remonta a 1972, quando o cirurgião dentista Nilton De Bortoli decidiu ir aos Estados Unidos para participar de cursos de especialização sobre implantes dentários – novidades mundiais à época. O aprendizado obtido no Exterior garantiu subsídios para a organização inédita de programas de formação no Brasil, no início dos anos 80. Até hoje, a família De Bortoli ministra cursos na Fundação Faculdade de Odontologia (Fundecto) da Universidade de São Paulo e na Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD). Em princípio, os produtos eram importados para viabilizar a realização das aulas e também para atendimento a pacientes em consultório. O processo esbarrava em uma série de burocracias impostas pelos organismos de saúde brasileiros. Porém, a dificuldade serviu de impulso para a criação da primeira fábrica de implantes osseointegrados no país, constituída por De Bortoli e seus dois filhos – Nilton de Bortoli Júnior e Mário Sérgio De Bortoli. O domínio que detinham sobre o tema, desde procedimentos cirúrgicos até as últimas inovações científicas e tecnológicas, facilitou a tarefa de desenvolver a produção nacional com qualidade similar à dos fornecedores internacionais. Além da demanda por implantes dentários, a família criou uma carteira fiel de clientes por meio dos próprios cursos. “Cerca de um terço dos 60 mil dentistas especializados em implantologia no país passaram pelas mãos dos De Bortoli”, reforça Aluizio Canto. A primeira máquina foi importada em 1982 e a produção quase artesanal limitava-se a menos de mil unidades por mês. Foi assim até 2003, quando a empresa decidiu ampliar o maquinário. Com os Bortoli ocupados entre a clínica, cursos e fábrica, a Implacil mantinha um único canal de marketing: o boca a boca dos dentistas. Em congressos de odontologia e fóruns científicos, os cirurgiões dentistas inscreviam seus casos de sucesso e a qualidade dos implantes ganhava destaque com certificados e reconhecimento. “A história ajuda a sustentar a excelência da marca e nos dá consistência para chegar ao topo”, acredita o executivo. Fonte: Portal Exame

No dia 15 de agosto de 2018 a coordenação do projeto Apolônias do Bem, da ONG Turma do Bem, projeto do qual a Implacil De Bortoli é apoiadora, recebeu um email com um pedido de ajuda. Uma filha, de 17 anos, moradora de Foz do Iguaçu, relatava o caso da mãe, N.V.C, 50 anos, vítima de violência praticada pelo marido. (mais…)

Short implants (≤ 8mm) compared to standard length implants (> 8mm) in conjunction with maxillary sinus floor augmentation: a systematic review and meta-analysis. Nielsen et al., Int J Oral Maxillofac Surg. 2018 Jul 3. pii: S0901-5027(18)30182-6. doi: 10.1016/j.ijom.2018.05.010. Resumo Objetivo: O objetivo deste estudo foi testar a hipótese de nenhuma diferença no resultado do tratamento após a instalação de implantes curtos (≤ 8mm), na parte posterior da maxila, em comparação com implantes de comprimento padrão (> 8mm) em conjunto com o levantamento de assoalho do seio maxilar, usando a técnica de janela lateral, após um período de observação ≥ 3 anos. Método e Resultados: Uma busca nas bases de dados MEDLINE, Embase e Cochrane Library, em combinação com uma busca manual de periódicos relevantes, foi conduzida. A pesquisa rendeu 1102 títulos. Apenas três estudos que preencheram os critérios de inclusão foram incluídos. Todos foram considerados com baixo risco de viés. Meta-análises não revelaram diferenças significativas na sobrevivência do implante ou perda óssea marginal peri-implantar entre as duas modalidades de tratamento. No entanto, o uso de implantes de comprimento padrão em conjunto com levantamento de assoalho do seio maxilar foi caracterizado por uma tendência de perda óssea marginal peri-implantar. Não houve diferença estatisticamente significativa entre as duas modalidades de tratamento em relação à satisfação geral do paciente. Conclusão: Os implantes curtos parecem ser uma alternativa adequada aos implantes de comprimento padrão em conjunto com levantamento de assoalho do seio maxilar. No entanto, mais ensaios clínicos randomizados com amostras de pacientes maiores e um período de observação de mais de três anos são necessários antes que uma modalidade de tratamento possa ser considerada superior à outra.

O uso excessivo repetido de fresas de implantes, está associado à diminuição da eficiência do corte e ao aumento do desgaste, resultando em elevação da temperatura na fresagem dos implantes (Fig. 1). A geração excessiva de calor causada por fresas desgastadas pode resultar em aumento do dano tecidual, influenciando as taxas de insucesso dos implantes. (mais…)

"Quem se importa com os dentes que uma mulher espancada perdeu?" Fábio Bibancos viveu feliz entre a ortodontia e o clareamento. Algo mudou e, em 2002, ele fundou a Turma do Bem, uma organização que atende 71 mil pessoas com poucos recursos na América Latina. "Por que ninguém pensa em como uma pessoa que não tem dentes vive? Como ela beija? Como ela come? Quem se importa com os dentes que uma mulher espancada perdeu? Eu lhe digo: porque somos ricos." Fábio Bibancos cresceu em um ambiente privilegiado. Ele frequentou as melhores escolas e se formou em Odontologia na Universidade Estadual Paulista. "Eles só nos ensinam a cuidar dos dentes dos brancos, um clareamento, um tratamento ortodôntico..., mas ninguém se importa com os pobres."
(mais…)

Veja o artigo na íntegra publicado pela Dra. Ana Cristina Pereira e colaboradores na revista ImplantNewsPerio descrevendo uma técnica cirúrgica de regeneração óssea guiada (ROG) para aumento horizontal de rebordo na qual foi utilizada membrana de PTFE associada ao L-PRF e a enxerto ósseo particulado, em conjunto com o I-PRF.

Todo clínico, ao ler uma pesquisa ou artigo científico na literatura, faz sempre a mesma pergunta: “o que as conclusões deste artigo irão modificar na minha vida de dentista frente aos meus pacientes no meu consultório?”. Esta pergunta é bastante pertinente, pois a ponta final de uma pesquisa deve ser sempre o paciente. A Ciência busca melhorar a qualidade de vida das pessoas através das suas descobertas. Este caminho se inicia com as pesquisas básicas em laboratórios, e essas descobertas às vezes demoram muito para chegar à boca dos pacientes. Em algumas situações, acabam nem chegando e se perdendo pelo caminho.

Todo clínico, ao ler uma pesquisa ou artigo científico na literatura, faz sempre a mesma pergunta: “o que as conclusões deste artigo irão modificar na minha vida de dentista frente aos meus pacientes no meu consultório?”. Esta pergunta é bastante pertinente, pois a ponta final de uma pesquisa deve ser sempre o paciente. A Ciência busca melhorar a qualidade de vida das pessoas através das suas descobertas. Este caminho se inicia com as pesquisas básicas em laboratórios, e essas descobertas às vezes demoram muito para chegar à boca dos pacientes. Em algumas situações, acabam nem chegando e se perdendo pelo caminho. Em 2016, nós publicamos um artigo científico na revista europeia Clinical Oral Implants Research (Risk indicators for Perio-implantitis. A cross-selectional study with 916 implants. Autores: Haline Renata Dalago, Guenther Schuldt Filho Mônica Abreu Pessoa Rodrigues, Stefan Renvert e Marco Aurélio Bianchini), que é uma das mais importantes do mundo em Implantodontia. Neste artigo, nós avaliamos 916 implantes de 183 pacientes que usavam próteses sobre implantes osseointegrados, em média, há cinco anos. Este estudo buscou entender quais indicadores de risco realmente influenciavam no aparecimento da peri-implantite e se as características dos implantes utilizados tinham alguma influência nestas alterações. Veja abaixo o resumo do trabalho: As conclusões, após exames clínicos e radiográficos comparativos (no momento da reabertura dos implantes e no momento da coleta de dados da pesquisa), foram de que nenhuma característica individual dos implantes utilizados teve influência no desenvolvimento da peri-implantite, ratificando a boa qualidade do produto utilizado. Com isso, as taxas de peri-implantite encontradas foram bastante pequenas (cerca de 7% nos implantes e 19% nos pacientes). A taxa de sobrevivência da amostra foi de 98,3%, atestando resultados semelhantes às marcas internacionais. Os indicadores de risco encontrados nesta pesquisa também foram semelhantes aos encontrados por outros autores, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos. Pacientes com periodontite pregressa, facetas de desgastes nas próteses, portadores de próteses tipo protocolo e próteses cimentadas demonstraram um maior risco de desenvolver a peri-implantite. Estes resultados sugeriram que a nossa Implantodontia trabalha de maneira semelhante ao que existe pelo mundo, indicando que estamos no caminho certo. A publicação deste artigo foi um motivo de muita alegria para todos no Brasil, pois um implante de fabricação nacional atingiu resultados bastante satisfatórios, além de comprovar achados epidemiológicos muito importantes, que ajudam no combate às enfermidades peri-implantares que tanto afligem os pacientes e os profissionais envolvidos na Implantodontia. Tudo isso ainda suportado por um dos autores por nós convidados – o professor Stefan Renvert, da Suécia, uma das maiores autoridades da Periodontia mundial. Por si só, estes tópicos já seriam suficientes para dar este artigo como encerrado, tendo como certo o bom cumprimento do seu papel e chegando à ponta final da pesquisa, que são as bocas de nossos pacientes. Contudo, na semana passada, fomos surpreendidos positivamente com mais uma boa notícia sobre esta publicação. A Academia Americana de Periodontia considerou este artigo como o mais destacado e excepcional publicado com relevância clínica direta em Periodontia no último biênio. De tal sorte que fomos convidados a receber uma premiação no próximo congresso da Academia Americana de Periodontia, que será realizado na Cidade de Vancouver, no Canadá, em outubro próximo. Sem dúvida alguma, isto é um reconhecimento mundial, não só para nós, pesquisadores, mas também para a Implantodontia brasileira, que se destaca cada vez mais como uma das melhores do mundo. Abaixo, o convite para a premiação São reconhecimentos como este que dão uma injeção de ânimo a todos nós, professores, que de alguma forma estamos envolvidos com pesquisas. O Brasil já vem se destacando mundialmente com autores bastante conhecidos e citados na Implantodontia mundial. Jamil Shibli, Élcio Marcantonio Jr, Paulo Guilherme Coelho, Arthur Belém Novaes Jr, Maurício Araújo, dentre muitos outros, já colocam o nome da nossa Odontologia em altos níveis internacionais. É preciso continuar investindo nas gerações futuras para que valorizem a pesquisa e o desenvolvimento, dando suporte às inovações científicas dentro da Implantodontia. “Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coração. E acharás graça e bom entendimento aos olhos de Deus e do homem.” (Provérbios 3, 3-4) Marco Bianchini Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares". Contato: bian07@yahoo.com.br   Fonte: INPN