Estabilidade a longo prazo de técnica de reconstrução do rebordo em zona estética

Por Márcio Casati | 11 de setembro de 2017

Estabilidade a longo prazo de técnica de reconstrução do rebordo em zona estética. Avaliação histológica e histomorfométrica de 12 biópsias humanas com 14-80 meses após a reconstrução

Jensen SS, Bosshardt DD, Gruber R, D. Buser

J Periodontol. 2014 Jul 10:1-15. [Epub ahead of print]

A reconstrução de rebordo ao redor de implantes instalados precocemente (4 a 8 semanas após a extração) usando osso autógeno particulado combinado com osso mineral bovino inorgânico e membrana de colágeno tem se mostrado previsível em prover resultados clínicos esteticamente satisfatórios. Além disso, estudos recentes com avaliações em tomografias computadorizadas de feixe cônico demonstraram aumento de volume estável em longo prazo.

Entretanto, não existem informações provenientes de estudos histológicos em humanos que avaliaram as reações teciduais frente a este procedimento cirúrgico. Durante um período de 8 anos, 12 biópsias foram obtidas de 10 pacientes, após 14 a 80 meses de colocação de implantes colocados simultaneamente com aumento de rebordo pela técnica descrita acima.

As biópsias foram avaliadas histológica e histometricamente. Foi observada nas biópsias uma porcentagem de 32.0 ± 9.6% de partículas de osso bovino e 40.6 ± 14.6% de osso maduro. 70.3 ± 14.5% das superfícies das partículas de osso bovino estavam recobertas por novo osso.

Nas partículas remanescentes havia presença de células gigantes multinucleadas com intensidade variada de coloração TRAP. Não foram observados sinais de inflamação nem tendência de redução da proporção do osso bovino com a avaliação longitudinal.

O presente estudo confirmou os achados prévios de que as partículas de osso bovino inorgânico se mantenham sem serem substituídas completamente. Esta taxa lenta de substituição pode ser a responsável pela estabilidade de longo prazo demonstrada, clínica e radiograficamente, com esta técnica combinada de osso autógeno, osso bovino inorgânico e membranas de colágeno.

Márcio Casati

Professor titular da Disciplina de Periodontia – Universidade Paulista (Unip); Professor associado da área de Periodontia – Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP – Unicamp).

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Márcio Casati