Não periodontopatógenos desaparecem após extração de dente?

Por Márcio Casati | 11 de setembro de 2017

Não periodontopatógenos desaparecem após extração de dente?

Van Assche N, Van Essche M, Pauwels M, Teughels W, Quirynen M.

Fonte: Departamento de Periodontia da Universidade Católica de Leuven, Leuven, Bélgica.

Para acompanhar as mudanças intra-orais microbiológicos após o boca-cheia de extração de reação em cadeia da polimerase quantitativa (qPCR).

Material e Métodos:

Nove pacientes com periodontite severa, agressiva, para quem uma extração de dente de boca cheia era a única opção de tratamento restante foram recrutados. Antes e 6 meses após a extração, foram obtidas amostras microbianas (saliva, língua e placa subgengival) e analisados ​​por qPCR.

Resultados:

A eliminação de nichos subgengivais, pela extração de todos os dentes naturais, resultou em uma redução de 3-log de Porphyromonas gingivalis e forsythia Tannerella, e reduções mais modestas de Aggregatibacter actinomycetemcomitans e Prevotella intermedia. No entanto, as frequências de detecção destes periodontopatógenos na saliva e na língua permaneceram inalterados após extração dentária.

Conclusão:

Em contraste com o que tem sido acreditado até agora, a extração de dentes não resulta na eliminação de todas as periodontopatógenos mas apenas em uma redução significativa. As conseqüências clínicas desta observação permanecem especulativas.

Márcio Casati

Professor titular da Disciplina de Periodontia – Universidade Paulista (Unip); Professor associado da área de Periodontia – Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP – Unicamp).

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Márcio Casati