O impacto de diferentes torques de inserção de implantes com carga imediata nos níveis de marcadores relacionados à angiogênese e a formação óssea.

Por Márcio Casati | 15 de junho de 2018

Verrastro Neto A, Andrade R , Corrêa MG, Casarin RCV, Casati MZ, Pimentel SP, Ribeiro FV, Cirano FR

Int J Oral Maxillofac Surg. 2018 de Maio; 47 (5): 651-657.

Divisão de Pesquisa Odontológica da Faculdade de Odontologia da Universidade Paulista, São Paulo, Brasil.

O objetivo deste estudo clínico controlado, randomizado e duplo-cego foi avaliar a influência de diferentes valores de torque de inserção de implantes dentais no perfil de marcadores relacionados a formação óssea e a angiogênese. Dezoito pacientes desdentados receberam implantes dentários e próteses mandibulares fixas de arco completo. Os implantes (n = 36) foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos: torque reduzido (n = 18), com torque de inserção <30Ncm; e torque convencional (n = 18), com inserção torque ≥30Ncm. Níveis de fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), fator de crescimento placentário, proteína morfogenética óssea 9 (BMP-9), periostina, osteoprotegerina (OPG) e fosfatase ácida resistente a tartarato (TRAP) foram quantificados no fluido peri-implantar após 7, 14, 30 e 120 dias da colocação do implante. Comparações inter-grupo mostraram que os níveis de VEGF e OPG foram maiores no grupo com baixo nível de torque em comparação ao grupo de torque convencional nos dias 7 e 30 (P <0,05). Os níveis de BMP-9 e periostina foram maiores no grupo convencional do que no grupo de torque de baixo nível no dia 120, e TRAP foi mais encontrado em torno de implantes inseridos com torque convencional quando comparados aos inseridos com torque de nível mais baixo em todos os tempos avaliados (P <0,05). Em conclusão, o presente estudo demonstrou que o uso de diferentes níveis de torque para implante de carga imediata influencia significativamente os níveis de marcadores relacionados a formação óssea e angiogênese. Pode ser observado que dentro das características deste estudo, torques de inserção inferiores a 30N estão associados a maior presença de fatores relacionados a angiogênese e a formação óssea, em períodos mais curtos de avaliação. Além disso, torques acima de 30N estão associados a maior presença de marcadores de reabsorção óssea.

Márcio Casati

Professor titular da Disciplina de Periodontia – Universidade Paulista (Unip); Professor associado da área de Periodontia – Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP – Unicamp).

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Márcio Casati