Pilar protético e a relação com a gengiva.

Por Marco A. Bianchini | 08 de julho de 2021

Marco Bianchini mostra caso com uso de pilar protético mais fino e bom volume de mucosa ceratinizada. Qual a relação com o volume de gengiva?

A dimensão do pilar protético em próteses sobre implantes osseointegrados vem sendo objeto de muitas pesquisas nos últimos anos. A busca por componentes protéticos que tenham um desenho que otimize a estética tem norteado a maioria dos ensaios clínicos e laboratoriais das empresas fabricantes de implantes. Esta relação das dimensões dos pilares protéticos com a estética passa, invariavelmente, pelo volume de tecido ceratinizado que existe ao redor dos implantes e dos pilares protéticos. Assim, as dimensões dos pilares estão intimamente relacionadas com o volume de gengiva de cada caso.

A quantidade de tecido ceratinizado ao redor de implantes tem uma importância que transcende a estética, e isto parece ser bem documentado na literatura. Estudos em forma de revisões sistemáticas indicaram que uma mucosa ceratinizada com valores menores do que 2 mm estaria associada a um maior acúmulo de placa e inflamação do tecido mole peri-implantar, quando comparado com implantes que foram circundados por uma mucosa ceratinizada maior do que 2 mm. Isso demonstra a importância deste tecido na prevenção do acúmulo de placa e, consequentemente, no desenvolvimento de alterações peri-implantares.

Além da quantidade horizontal de mucosa ceratinizada que circunda os implantes, também a espessura vertical, que se localiza sobre os implantes, vem sendo indentificada por alguns autores como um importante fator que influenciaria na estabilidade do tecido ósseo peri-implantar. Estes autores preconizam que uma altura mínima de 3 mm de tecido ceratinizado sobre os implantes deve sempre estar presente acima do tecido ósseo, a fim de acomodar os componentes das distâncias biológicas peri-implantares (epitélio do sulco, epitélio juncional e inserção consjuntiva), evitando perdas ósseas precoces.

As Figuras 1 a 3 demonstram um caso clínico em que a relação de um pilar protético mais fino com um bom volume de  mucosa ceratinizada proporcionou um resultado bastante favorável. O fato do implante ter sido colocado em uma posição mais profunda em relação aos dentes adjacentes foi compensado pela altura e espessura do pilar protético, que respeitou o espaço biológico para acomodar as estruturas dos tecidos moles. As dimensões longa e estreita do pilar deixaram um espaço livre para a gengiva, que proporcionou o tão sonhado selamento biológico peri-implantar.

07-07-2021-materia-da-semana-marco-bianchini
Figuras 1 a 3 – Pilar protético Ideale (Implacil De Bortoli, São Paulo Brasil) sobre implante cone-morse Due Cone (Implacil De Bortoli, São Paulo Brasil) na região do elemento 15. Observar a espessura reduzida com cinta alta do pilar, proporcionando uma excelente condição gengival peri-implantar após um ano de prótese.

Uma série de estudos, que serviu de base para a classificação das doenças peri-implantares pela Academia Americana de Periodontia, concluiu que o início e a progressão da peri-implantite podem ser influenciados por fatores iatrogênicos, como a colocação inadequada do pilar protético e o sobrecontorno das restaurações protéticas.

Desta forma, parece ser razoável acreditar que fatores como o design dos pilares e da supraestrutura protética devem preservar os tecidos moles peri-implantares, proteger o implante e facilitar o acesso para higiene oral dos pacientes. Pilares mais “finos e longos”, especialmente sobre implantes com plataforma cone-morse, melhoram a relação com os tecidos gengivais peri-implantares, mantendo a saúde do conjunto implante-prótese ao longo dos anos.

Referências

1. Gobbato L, Avila‐Ortiz G, Sohrabi K, Wang CW, Karimbux N. The efect of keratinized mucosa width on peri‐implant health: a systematic review. Int J Oral Maxillofac Implants 2013;28(6):1536-45.
2. Lin GH, Chan HL, Wang HL. The significance of keratinized mucosa on implant health: a systematic review. J Periodontol 2013;84(12):1755-67.
3. Ladwein C, Schmelzeisen R, Nelson K, Fluegge TV, Fretwurst T. Is the presence of keratinized mucosa associated with periimplant tissue health? A clinical cross‐sectional analysis. Int J Implant Dent 2015;1(1):11.
4. Linkevicius T, Puisys A, Steigmann M, Vindasiute E, Linkeviciene L. Influence of vertical soft tissue thickness on crestal bone changes around implants with platform switching: a comparative clinical study. Clin Implant Dent Relat Res 2015;17(6):1228-36.
5. Berglundh T et al. Peri‐implant diseases and conditions: consensus report of workgroup 4 of the 2017 World Workshop on the Classification of Periodontal and Peri‐Implant Diseases and Conditions. J Clin Periodontol 2018;45(suppl.20):286-91.
6. Hämmerle CHF, Tarnow D. The etiology of hard‐ and soft‐tissue deficiencies at dental implants: a narrative review. J Clin Periodontol 2018;45(suppl.20):267-77.

Fonte: https://vmcom.com.br/vmblog/pilar-protetico-e-a-relacao-com-a-gengiva/

Marco A. Bianchini

Professor adjunto do Departamento de Odontologia – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Coordenador do Curso de Especialização em Implantodontia – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Autor do livro – O passo a passo cirúrgico na Implantodontia.

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO

Marco A. Bianchini