Preservação alveolar com membrana Cytoplast TXT-200 intencionalmente exposta e Extra Graft

Por Ulisses Dayube | 21 de julho de 2022

No momento atual, os implantes dentários são considerados como tratamento de escolha para reabilitação de indivíduos parcialmente ou totalmente edêntulos, apresentando elevada taxa de sucesso1.

O sucesso do tratamento com implantes dentários depende do volume ósseo adequado para a instalação dos implantes, visto que o prognóstico à longo prazo pode ser afetado desfavoravelmente por um volume ósseo inadequado2.

Com o intuito de solucionar os problemas relacionados com o déficit ósseo, técnicas têm sido preconizadas para preparar o local para receber os implantes.

As técnicas reconstrutivas estão relacionadas ao volume ósseo perdido, seja em espessura, em altura ou em ambos3. Conforme o tamanho e localização do defeito, como alternativa à utilização do enxerto ósseo em bloco e grandes aumentos ósseos, uma das técnicas reconstrutivas mais aplicadas para estimular a neoformação óssea é a preservação alveolar, a qual é um método cirúrgico para aumentar ou manter ao máximo o volume do osso alveolar em pacientes que necessitem de exodontias4.

Uma das técnicas de preservação alveolar utiliza uma membrana de politetrafluoretileno denso (Cytoplast TXT-200) e biomateriais que produzem um espaço para a formação óssea e impedem a migração de células do tecido epitelial e conjuntivo, visando constituir um ambiente impermeável à migração de células indesejáveis que possam comprometer a regeneração óssea. Já os biomateriais sustentam as membranas, evitando seu colapso sobre a área a ser regenerada, e servem como arcabouço para formação de matriz óssea pelos osteoblastos5. A utilização de membranas como barreira, especificamente politetrafluoretileno (PTFE-d), para a regeneração óssea guiada e preservação alveolar, tem sido bem documentada com sucesso6,7.

A utilização de um biomaterial que contém hidroxiapatita e colágeno como o Extra Graft tem algumas vantagens:

– facilidade na utilização, é um material moldável, flexível e com alta agregação ao defeito ósseo;
– a presença do colágeno tipo I aumenta a osteocondução e permite uma melhor hemostasia, as plaquetas aderem prontamente ao colágeno;
– promove migração rápida de células endoteliais e osteoprogenitoras;
– estrutura tridimensional do colágeno tipo I promove revascularização;
– lenta reabsorção dos grânulos de hidroxiapatita, mantendo o volume ósseo;
– vários estudos afirmam as vantagens de um biomaterial que associe a hidroxiapatita e o colágeno num alvéolo pós-exodontia. Por exemplo, no estudo de Araújo e Lindhe8, eles concluíram que a utilização desse tipo de biomaterial no alvéolo pode modificar a remodelação óssea e reduzir o grau de alteração dimensional do rebordo alveolar que ocorre após a exodontia.

Diante do exposto, vamos relatar um caso clínico de um paciente que apresentava fratura do elemento 24 com perda óssea na palatina, onde foi realizado a técnica de preservação alveolar com membrana Cytoplast TXT-200 (PTFE denso) intencionalmente exposta com a utilização de Extra Graft no alvéolo.

REFERÊNCIAS

1.
Adell R, Lekholm U, Rockler B, Branemark PI. A 15-year study of osseointegrated implants in the treatment of edentulous jaw. Int J Oral Surg 1981; 10(6):387-416.

2.
Chen ST, Beagle J, Jensen SS, Chiapasco M, Darby I. Consensus statements and recommended clinical procedures regarding surgical techniques. Int J Oral Maxillofac Implants 2009; 24(Suppl):272-8.

3.
Esposito M, Grusovin MG, Felice P, Karatzopoulos G, Worthington HV, Coulthard P. The efficacy of horizontal and vertical boné augmentation procedures for dental implants: a Cochrane systematic review. Eur J Oral Implantol 2009; 2(3):167-84.

4.
Koyama Y, Kikuchi M, Edamura K, Nagaoka K, Tanaka S, Tanaka J, et al. Reconstruction of bone fenestration on mandiblar by the guided bone regeneration methods with beta-TCP/PLGC membranes. J. Nanosci Nanotechnol 2007;7:859-61.

5.
Meinig RP. Clinical use of resorbable polymeric membranes in the treatment of bone defects. Orthop Clin North Am 2010; 41(1):39-47.

6.
Becker W, Dahlin C, Becker BE, Lekholm U, van Steenberghe D, Higuchi K, et al. The use of e-PTFE barrier membranes for bone promotion around titanium implants placed into extraction sockets. Int J Oral Maxillofac Implants 1994; 9(1):31-40.7. Barboza EP, Stutz B, Mandarino D, Rodrigues DM, Ferreira VF. Evaluation of a dense polytetrafluoroethylene membrane to increase keratinized tissue: a randomized controlled clinical trial. Implant Dent 2014; 23(3):289-94.

8.
Araújo MG, Lindhe J. Ridge preservation with the use of Bio-Oss collagen: A 6-month study in the dog. Clin Oral Implants Res. 2009 May;20(5):433-40.



Ulisses Ribeiro Campos Dayube

– Doutorando em Implantodontia · UnG (Guarulhos);– Mestre em Implantodontia · SLM (Campinas);– Especialista em Implantodontia · ABO (Barra Mansa RJ);– Especialista em Prótese Dentária · UNIGRANRIO (RJ);– Coordenador da Especialização em Implantodontia da São Leopoldo Mandic RJ;– Coordenador do curso de especialização em Implantodontia do CenCro RJ;– Consultor Científico da JOMI/Brasil;– Membro do Conselho Editorial da revista ImplantNewsPerio;– Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética;– Membro Titular da Academia Brasileira de Odontologia.

VER TODOS ARTIGOS DESTE MEMBRO