Regeneração Óssea Guiada Vertical

Por Implacil | 06 de abril de 2018

Paciente do sexo masculino, com 55 anos de idade, foi encaminhado por um colega para avaliar mobilidade grau 3 no elemento dentário 15, 21 e 48 e com supuração em ambos dentes. O exame clínico revelou bolsas periodontais profundas, com variações de 10 a 12milimetros. Os exames de radiografia e tomografia revelaram extensa reabsorção óssea, com perdas das paredes vestibulares, palatina e distal do 21 e mesial do 15.

Dentre as opções de tratamento oferecidas, o planejamento inicial consistituiu em extração dos elementos 15, 21 e 48 com ampla curetagem . Posteriormente, regeneração óssea guiada, utilizando uma combinação de osso bovino inorgânico (Bio-Oss grânulos grandes), osso autógeno, Emdogain e membrana de PTFE com reforço de Titânio da Citoplast (Ti250 AS-2) na região do premolar e do incisivo central.

A membrana selecionada foi a Citoplast (Ti250 AS-2) para defeitos vestibulares e palatino, conforme o desenho da malha de titânio que esta sob uma dupla camada de PTFE.

Previamente à cirurgia, o paciente submeteu-se a ampla curetagem, raspagem e alisamento radicular para a descontaminação prévia, bem como receitado flagyl 400mg de 12/12 hs + Amoxicilina 875mg de 12/12hs por 10 dias antes do procedimento cirúrgico. Após a cirurgia foi receitada cobertura antibiótica com Clavulin BD 875 mg (amoxicilina + clavulanato de potássio). Após cuidados pré-operatórios e anestesia local, foi realizada uma incisão mucoperiostal da distal do 16 a distal do elemento 23,incisões relaxantes e unidas por incisões intrasulculares contornando as papilas. Com o auxílio de curetas e descoladores, prosseguiu-se ao descolamento da fibromucosa em toda a região vestibular e parte do palato.

Foi realizado novamente, o debridamento radicular com curetas nos dentes adjacentes, lavagem, aplicação do Prefgel (EDTA) sobre as raízes dos dentes proximais por 2 minutos e após, ampla lavagem com soro fisológico foi ajustada e adequada a membrana de PTFE no leito do alvéolo. O enxerto foi manipulado na proporção de 50% autógeno e 50% xenógeno. O enxerto autógeno foi removido do ramo da mandíbula em forma de raspas. Previamente, a colocação dos enxertos, foi aplicado Emdogaim nas raízes dos dentes proximais, bem como unido junto ao enxerto ósseo e estabilizada a membrana por palatino com 2 tachinhas por palatino. Com o enxerto colocado no defeito, foi estabilizada por vestibular também com 2 tachinhas a membrana.

Após a estabilização da membrana foi realizada a sutura com pontos simples e colchoeiro de fio de politetrafluoretileno (Cytoplast 4-0) pontos simples nas incisões verticais (relaxantes) e sobre cada papila. Na região dos alvéolos 21 e 15 foram realizados pontos colchoeiros e pontos simples para termos uma cicatrização por primeira intenção. O procedimento foi finalizado com adaptação de provisória acrílica dos elementos 21 e 15.