TRATAMENTO CIRÚRGICO DE PERI-IMPLANTITE: INDICADORES PROGNÓSTICOS DE RESULTADOS EM CURTO PRAZO

Por Dr. Márcio Casati | 22 de fevereiro de 2018

OBJETIVO: Avaliar o efeito clínico e radiográfico em curto prazo (6 meses) do tratamento cirúrgico da peri-implantite e identificar indicadores prognósticos que afetem o resultado usando um modelo estatístico multinível.
MATERIAIS E MÉTODOS: Um total de 143 implantes (45 pacientes) com diagnóstico de peri-implantite progressiva (perda óssea progressiva ≥ 2.0 mm e sangramento na sondagem e/ou supuração) receberam tratamento cirúrgico. Os parâmetros clínicos e radiográficos foram avaliados com 6 meses de pós-operatório. Foram analisados indicadores prognósticos potenciais antes da cirurgia sobre o indivíduo, o implante e o sítio para avaliar o efeito nos resultados individuais e compostos usando análise de regressão logística multinível.
RESULTADOS: Na avaliação de 6 meses, nenhum dos implantes demonstrou perda óssea proggressiva e 14% dos implantes foram registrados com ausência de sangramento e profundidade de sondagem ≥6 mm. A análise de regressão multinível identificou, entre outros, supuração, profundidade de sondagem > 8 mm, perda óssea> 7 mm e a presença de placa como critério associado ao desfecho.
CONCLUSÃO: A cirurgia ressectiva de peri-implantite pareceu reduzir a quantidade de inflamação peri-implantar. No entanto, a maioria dos sítios continuou apresentando sangramento e/ou supuração. Assim, a manutenção e avaliação de longo prazo são justificadas. O efeito do tratamento foi reduzido por alguns indicadores prognósticos, como a presença de supuração antes da terapia e perda óssea peri-implantar superior a 7 mm.