Usar ou não usar parafuso tenda, em aumentos ósseos com membrana Cytoplast?

Por Carlos Valladão | 11 de agosto de 2021

Esta dúvida é recorrente e comum entre os profissionais que fazem aumentos ósseos, através da técnica de ROG (Regeneração Óssea Guiada) com o uso da membrana de D-PTFE reforçada com titânio. Na maioria de meus casos clínicos, quando uso a membrana Cytoplast com reforço de titânio, não vejo necessidade do uso de parafuso tenda. Normalmente, a membrana Cytoplast, quando bem estabilizada com parafusos ou tachinhas de fixação, provê um excelente arcabouço e proteção ao enxerto particulado, dispensando o uso de parafuso tenda.

Contudo, podemos lançar mão parafuso tenda, em algumas situações particulares. Por exemplo: quando o cirurgião percebe que o design do reforço de titânio da membrana pode não ser suficiente para aquele aumento específico, o parafuso tenda pode ser um importante coadjuvante, na reconstrução óssea. Em outras situações, podemos utilizar o parafuso tenda, em um ponto crítico, dando maior estabilidade e sustentação ao enxerto.

As figuras, abaixo, demonstram 3 exemplos clínicos de ROG vertical, onde foi utilizado osso autógeno particulado e substituto ósseo xenógeno, na proporção 1:1, cobertos com a membrana Cytoplast, fixada com miniparafusos. Na figura 1, temos um caso de aumento ósseo vertical, em região posterior de mandíbula, sem utilização de parafuso tenda. Na figura 2, um outro caso de aumento vertical, também em região posterior de mandíbula, onde o uso do parafuso tenda foi essencial em uma localização do defeito, corroborando o reforço de titânio da membrana. Na figura 3, temos um caso de aumento vertical na região anterior de maxila, onde o parafuso tenda foi utilizado, em um ponto considerado crítico para reconstrução óssea requerida.

Portanto, creio que o bom senso cirúrgico deva ser adotado em algumas situações particulares. O conhecimento das técnicas de reconstrução óssea, a disponibilidade, bem como a utilização de materiais e instrumentais específicos são elementos imprescindíveis em cirurgias de ROG.  

Referências

1.     Urban IA, Lozada JL, Jovanovic SA, Nagursky H, Nagy K. Vertical ridge augmentation with titanium-reinforced, dense-PTFE membranes and a combination of particulated autogenous bone and anorganic bovine bone-derived mineral: a prospective case series in 19 patients. Int J Oral Maxillofac Implants. 2014 Jan-Feb;29(1):185-93

2.     César Neto JB, Cavalcanti MC, Sapata VM, Pannuti CM, Hämmerle CHF, Naenni N, Thoma DS, Romito GA. The positive effect of tenting screws for primary horizontal guided bone regeneration: A retrospective study based on cone-beam computed tomography data. Clin Oral Implants Res. 2020 Sep;31(9):846-855.

3.     Plonka AB, Urban IA, Wang HL. Decision Tree for Vertical Ridge Augmentation. Int J Periodontics Restorative Dent. 2018 Mar/Apr;38(2):269-275.

4.     Urban IA, Montero E, Monje A, Sanz-Sánchez I. Effectiveness of vertical ridge augmentation interventions: A systematic review and meta-analysis. J Clin Periodontol. 2019 Jun;46 Suppl 21:319-339

Figura 1:

Fig. 1 Aspecto clínico, após 9 meses de uma regeneração óssea vertical por ROG com membrana de D-PTFE Ti (Cytoplast™), sem necessidade de parafuso tenda.

Figura 2:

Fig. 2: Imagem de corte tomográfico, através da análise dos arquivos Dicom (DTX Studio™) de uma ROG, com o uso de parafuso tenda, posicionado além do reforço de titânio da membrana Cytoplast™ ,

Figura 3:

Fig. 3. Parafuso tenda sendo utilizado em um ponto considerado crítico, sobre a membrana Cytoplast™