Elcio Marcantônio destaca artigo sobre implantes instalados

11 de setembro de 2017

Resumo

Galindo-Moreno P, Fernández-Jiménez A, Avila-Ortiz G, Silvestre FJ, Hernández-Cortés P, Wang HL. Marginal bone loss around implants placed in maxillary native bone or grafted sinuses: a retrospective cohort study.Clin Oral Implants Res. 2014 Mar;25(3):378-84.

Histórico e objetivo

A utilização de enxertos para aumento da disponibilidade óssea para posterior inserção de implantes é um procedimento extremamente difundido. Entretanto, existem dúvidas sobre o comportamento longitudinal de implantes instalados nessas áreas. A literatura diverge com relação as taxas de sobrevivência dos implantes instalados em áreas de osso nativo e enxertado.

Adicionalmente, estudos com elementos finitos demonstraram que a utilização de enxertos com dureza menor que o osso nativo causam um acúmulo de força na região marginal do implante, mesmo que a plataforma esteja inserida em novo nativo, tal como ocorre nos casos de elevação de seio maxilar associado a instalação de implantes.

O trabalho em questão avaliou retrospectivamente a perda óssea marginal de implantes instalados na região posterior da maxila que foram submetidas ou não a inserção de enxerto ósseo para elevação de soalho do seio maxilar.

Material e métodos

105 pacientes que apresentavam implantes instalados e em função situados na região posterior da maxila a pelo menos 3 anos participaram desse estudo. Foram executados tomadas radiográficas panorâmicas no dia da instalação da prótese e nos períodos de 12, 24 e 36 meses após instalação da prótese. Análises lineares foram executadas para avaliação do nível ósseo interproximal de um implante por paciente, instalado na área de menor osso nativo residual. Os pacientes foram divididos em dois grupos, no grupo 1 foi executado elevação de seio maxilar que foi preenchido pela associação de osso autógeno e osso bovino desproteinizado (1:1), enquanto que no grupo 2 os implantes foram instalados dentro do protocolo normal de inserção de implantes. Na análise do nível ósseo foi levado em consideração a utilização ou não de enxertos relacionado com a influência do tipo de plataforma do implante (hexágono interno e externo), fumo, idade, histórico de doença periodontal e alcoolismo.

Resultados

Foi verificado uma maior perda óssea marginal ao redor de implantes instalados em áreas aonde a elevação de seio maxilar foi realizada no período de acompanhamento de 12 meses, entretanto esse efeito não ocorreu nos outros períodos de avaliação. Fatores como hábito de fumar, tipo de plataforma e histórico de doença periodontal também influenciaram na perda óssea marginal ao redor dos implantes.

Conclusão

Implantes instalados em áreas aonde foi executado elevação de seio maxilar associada a inserção de enxertos apresentaram maior reabsorção óssea marginal do que implantes instalados em áreas de osso nativo.